19 de setembro de 2017


Mas afinal, você já ouviu falar no Movimento Empresa Júnior?

Antes falarmos sobre Movimento Empresa Júnior é válido levantar os termos que definem uma Empresa Júnior (EJ). De acordo com a Lei Federal 13.267 de abril de 2016 considera-se Empresa Júnior a entidade organizada sob a forma de associação civil gerida por estudantes matriculados em cursos de graduação de instituições de ensino superior, com o propósito de realizar projetos e serviços que contribuam para o desenvolvimento acadêmico e profissional dos associados, capacitando-os para o mercado de trabalho.

Embora esta lei, no Brasil, tenha sido ratificada apenas em 2016 este movimento vívido e ativo nasceu na década de 60 na França, mais precisamente em 1967 na ESSEC – L’École Superieure des Sciences Economiques et Commerciales, em Paris. O intuito era criar uma estrutura profissional gerida apenas por estudantes e que pudesse proporcionar o desenvolvimento das habilidades de seus membros. Assim nasceu a Júnior ESSEC, pioneira tanto na criação de uma Empresa Júnior quanto na criação da primeira confederação de EJs.

No Brasil o pioneirismo foi devido a Empresa Júnior Fundação Getúlio Vargas em 1989. De lá para cá muita coisa evoluiu. Hoje estamos divididos em 24 federações que correspondem a estados. As federações representam e promovem o alinhamento de perspectivas entre suas EJs. Ainda, a nível local (campus), temos os Núcleos que representem e a auxiliam as EJs na consecução de suas atividades. Para alinhar toda “rede” temos a Brasil Jr., confederação (composta pelas federações) que representa e determina suas diretrizes.

Uma vez dentro de uma Empresa Júnior o membro tem a oportunidade de desenvolver diferentes habilidades, sejam pessoais ou profissionais. Aqui incluímos aprendizados em gestão, gerenciamento de projetos, liderança, trabalho em grupo e aspectos técnicos acerca da área de atuação. É valido mencionar que por se tratar de uma empresa sem fins lucrativos as empresas juniores cobram menos por seus produtos ou serviços. Todo o dinheiro arrecadado é reinvestido na manutenção da empresa e/ou na capacitação de membros.

Ok! Entendido um pouco da natureza de uma EJ ficou fácil entender a proposta do movimento, certo?

Ainda não!

O Movimento Empresa Júnior ou simplesmente MEJ, sigla que habitualmente usamos, tem a ambição não somente de formar jovens empreendedores de excelência, mas de impactar a sociedade através de projetos comerciais. Um Brasil mais ético, mais educador e colaborativo. É essa a missão da Brasil Jr.:

MISSÃO: REPRESENTAR O MOVIMENTO EMPRESA JÚNIOR E POTENCIALIZÁ-LO COMO AGENTE DE FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES  COMPROMETIDOS E CAPAZES DE TRANSFORMAR O BRASIL.

A Physis Jr. por sua vez compõe o Núcleo UFSCar Júnior (NUJ) e, desde o fim de 2016, compõe a Federação das Empresas Juniores do Estado de São Paulo (FEJESP). Confederados à Brasil Júnior estamos alinhados com as metas e desafios da rede. Para 2017 a Brasil Jr. pretende realizar 10.000 projetos, arrecadar R$ 18.000.000,00 e sermos 565 EJs confederadas.

Em tempos de crise será que conseguiremos?

( )SIM                   ( ) COM CERTEZA

 

Categorias
Tópicos recentes
Back to top